“Vivemos tempos fantásticos. De muita mudança”, Fernando Amaral, CEO da Alidata

10 - fernandoamaralO responsável máximo da Alidata faz um balanço dos 35 anos da empresa, hoje, parte do Sendys Group, e da sua própria história. um olhar perspicaz e analítico sobre o passado, presente e futuro do setor.

De pensamento rápido e acutilante, Fernando Amaral é um homem de paixões fortes. E olhar analítico. Seja a fotografar animais selvagens, nas selvas africanas, ou grandes metrópoles, por todo o mundo (com uma qualidade profissional), seja a observar a evolução informática e digital do setor e da própria sociedade.

Formado em Direito, cedo despertou para a informática, “bichinho” que levou a melhor e que o levou a entrar para a Prológica. Não mais parou. Comprou sempre as empresas onde trabalhou. A Alidata não foi exceção.

Era ainda muito novo e estava longe de imaginar (ou talvez não…) que um dia lideraria esta empresa que, atualmente, pertence ao Sendys Group e que, em 2019, celebra 35 anos plena de saúde.

Em 2018, o volume de negócios ascendeu aos 4,2 milhões de euros, garantido uma carteira de 6.300 clientes diretos, números dos quais, 32% e 35%, respetivamente, dizem respeito ao aftermarket automóvel.

A Alidata celebra 35 anos. Recuemos no tempo. Ainda se recorda desses primeiros tempos da empresa?

Parece que foi há uma eternidade. Vivemos tempos fantásticos. De muita mudança. Se olharmos para os últimos 10 anos, parece que passaram 100.

Tudo era muito diferente. Estamos a falar dos primórdios da informática, do PC a 4.77 MHz, de computadores que trabalhavam apenas com disquetes. A Alidata começa numa realidade completamente distinta da atual.

Tudo mudou com a entrada para o Sendys Group…

O que mudou, essencialmente, foi a diversidade da oferta. Hoje, temos uma capacidade de prestar serviços muito mais completa do que era quando a Alidata, a Sendy ou a marca Criativa atuavam de forma isolada.

Hoje, conseguimos ter uma oferta para os clientes que vai desde sistemas, ao software, às apps, toda a área da digitalização das empresas. Tudo isto, numa única proposta de oferta de valor para o cliente.

Isto é um conforto, quer para nós – tenho de admiti-lo, também, porque controlamos todas a circunstâncias – quer para o próprio cliente, que não precisa de interagir com vários parceiros.

Leia a entrevista completa na edição de julho do Jornal das Oficinas.

Notícias da mesma categoria

Avatar

Do mesmo Autor: Bruno Castanheira

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Banners - PopUp_Jornal_Oficinas