“Têm sido tempos difíceis a apelar à nossa resiliência”, Diamantino Costa, Sparkes & Sparkes

“Têm sido tempos difíceis a apelar à nossa resiliência”, Diamantino Costa,  Sparkes & Sparkes

Durante a pandemia a Sparkes & Sparkes continuou sempre de portas abertas e aconselhou os clientes a privilegiar a compra online. Os tempos são severos, mas a empresa acredita que tudo voltará ao normal.

A crise Covid-19 trouxe consigo uma situação sem precedentes que não alterou apenas a vida quotidiana de todos, mas também afetou a generalidade das empresas. Como está a Sparkes & Sparkes a enfrentar esta pandemia?
A Sparkes & Sparkes continuou sempre de portas abertas para servir os seus clientes. Dividimos a nossa equipa em duas, sendo que cada uma trabalhava uma semana e ficava a outra em casa. Por outro lado, aplicamos todas as medidas possíveis para evitar o contágio da nossa equipa. Propusemos aos nossos clientes que privilegiassem a compra on-line e a entrega via transportadora. Mesmo assim está a ser uma fase muito difícil. Não colocamos ninguém em layoff nem estamos a colocar essa possibilidade. Temos muita confiança em nós e nos nossos serviços, e sabemos que quando esta pandemia passar voltaremos aos níveis a que estávamos habituados. Apesar se sermos uma empresa pequena, criamos há uns anos um plano de continuidade do negócio, que, infelizmente, tivemos de ativar nesta situação, e que ajudou nesta fase. Aquilo que parecia uma excentricidade veio a revelar-se fundamental.

O que mudou na atividade da Sparkes & Sparkes?
Começamos a trabalhar uma equipa por semana, para evitar contágios entre os nossos profissionais, aumentamos, dentro do possível, o distanciamento entre eles, passaram a trabalhar sempre de máscara, o que nem sempre é fácil. Temos que ter muitos mais cuidados, mas continuamos com a nossa missão e a nossa tarefa.

Como está a necessidade de isolamento social a impactar na atividade da Sparkes & Sparkes?
Embora os nossos colaboradores tenham o seu local de trabalho que já cumpre as distâncias de segurança agora obrigatórias, eles ajudam-se mutuamente em muitas situações, pelo que é muito importante o uso da máscara. O uso de luvas já era obrigatório, mas agora é necessário trocarem-nas mais vezes e desinfetarem as mãos regularmente. Por tudo isto houve algum impacto, mas como o nosso trabalho não é um trabalho em série, julgo que esse impacto não é muito relevante.

Que meios utilizam para manter o contacto com os clientes?
Por norma mais de 90% dos nossos contactos já se realizavam à distância, através de telefone e de e-mail, pelo que também aí o impacto não foi muito grande. O que começamos a fazer de forma mais regular foi o envio de mailing lists para os nossos clientes, para ficarem cientes que continuamos a trabalhar e disponíveis para eles.

Como estão a apoiar os vossos clientes neste momento difícil que o mercado está a viver?
A medida mais visível de apoio aos nossos cliente foi o facto de na maior parte das situações, e para evitar deslocações, não estamos a cobrar os portes.

Que boas práticas estão a ser implementadas pela Sparkes & Sparkes para conseguir manter a atividade em segurança?
Aquilo que já fui dizendo acima: Equipa dividida em duas a trabalharem desfasadas; Desinfeção regular de todos os espaços onde as pessoas coloquem as mãos, tais como corrimãos, maçanetas das portas, interruptores, máquinas, etc.. Uso obrigatório de máscara e desinfeção das mãos mais frequente. Por outro lado, aos nossos clientes exigimos que desinfetem as mãos antes de entrarem nas nossas instalações, bem como o uso de máscara.

Quais as perspetivas de vendas para este ano 2020?
Temo que este tenha sido um grande golpe nas nossas vendas. Se no final do ano as vendas tiverem um decréscimo inferior a 10% eu, pessoalmente, já ficaria satisfeito. Depende da forma como as coisas começarem a abrir, mas têm sido tempos difíceis a apelar à nossa resiliência.

Que mensagem deseja transmitir aos seus clientes e ao mercado em geral para o futuro?
Aos nossos clientes gostaria de dizer que estamos cá, como sempre, disponíveis para os servir. Fizemos o que estava ao nosso alcance para poder continuar a proporcionar-lhes os nossos produtos, com a mesma qualidade e com a mesma rapidez de sempre. Contem connosco para os ajudar a deixar para trás estes tempos difíceis. Ao mercado penso que devemos deixar uma mensagem de esperança. Acredito que tudo voltará ao normal. É preciso continuar a trabalhar para que tudo volte aquilo que era antes. Aproveitemos esta terrível pandemia para perceber o que temos andado a fazer de bem e de mal e para corrigir aquilo que falhou…

Notícias da mesma categoria

João Vieira

Do mesmo Autor: João Vieira

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com