Arnott informa sobre compressor de suspensão pneumática

01 - Arnott-informa-sobre-compressor

Quando observamos um sistema de suspensão pneumática, a ECU (Unidade de Controle Eletrónico) é frequentemente considerada o cérebro do sistema. Seguindo essa linha de pensamento, o compressor pode ser considerado o coração pulsante do sistema.

Quando um compressor não funciona corretamente, o sistema terá um desempenho insatisfatório e, eventualmente, será desligado. Isso torna o compressor um componente vital dentro do sistema de suspensão pneumática.

Um compressor fornece a pressão do sistema para o sistema de suspensão a ar e consiste num eletromotor que aciona o pistão do cilindro por meio de uma biela.

O ar que é aspirado é comprimido pelo movimento do pistão. O bloco de válvulas envia então esse ar comprimido através da tubagem de ar para o reservatório de pressão.

O compressor é ligado e desligado por um relé que é controlado pela ECU. O compressor também contém um filtro / secador que impede a entrada de resíduos e absorve a humidade.

A humidade é armazenada temporariamente e irá evaporar devido ao calor do compressor. O vapor d’água é então libertado de volta ao ar livre.

Em geral, este componente do compressor não requer manutenção. A maioria dos compressores é projetada apenas para aumento de pressão de curto prazo. Se a temperatura subir acima de 100 graus Celsius, o compressor poderá ser danificado.

Este é, por exemplo, o caso quando um compressor está a funcionar com muita frequência ou continuamente devido a um vazamento do sistema.

Um reservatório de pressão externa costuma ser instalado para fazer a gestão da pressão do sistema de maneira mais eficiente, encurtando assim o tempo de ativação do compressor.

Danos consequentes
Um compressor defeituoso é quase sempre o resultado de uma falha em outra parte do sistema de suspensão a ar. Portanto, é recomendado que todo o sistema de suspensão a ar seja verificado quanto a fugas e vedações após a substituição de um compressor.

Verifique a estanqueidade da vedação entre a mola e a haste, verifique os conectores do bloco de válvulas, as conexões Voss, mas também a condição das próprias linhas de ar.

Uma solução de água e sabão geralmente funciona bem na deteção de fugas. Procure furos ou rasgos nas molas pneumáticas e fique alerta, nem todas as fugas são facilmente encontradas. Uma fuga também pode estar localizado na borda de desdobramento da mola pneumática, que fica oculta na altura normal do sistema.

 Sintomas
Há vários sintomas de um compressor com defeito. Aumento do tempo necessário para alterar a altura do veículo, funcionamento contínuo e, no pior dos casos, não operar de forma alguma.

Existem vários indicadores claros de quando um compressor está queimado: descoloração das etiquetas do compressor, linhas / conectores de ar derretido e / ou presença de cheiro de queimado ao desmontar a unidade. Substitua sempre o relé ao substituir um compressor.

Esta é uma peça de desgaste que pode ficar danificada com o tempo. Quando há uma fuga no sistema, o relé ficará continuamente a ligar o compressor. A longo prazo, isso é prejudicial não apenas para o compressor, mas também para o relé.

Notícias da mesma categoria

João Vieira

Do mesmo Autor: João Vieira

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Banners - PopUp_Jornal_Oficinas