Recondicionamento de baterias Veículos Elétricos

03 - Recondicionamento-de-baterias-Veiculos-Eletricos

A exemplo do que acontece com as baterias de chumbo, as baterias de NiMH e de Lítio, que equipam os VE – Veículos Elétricos e Híbridos também podem e devem ser enviadas para reciclagem. Podem ainda ser recondicionadas e reparadas

O período de vida útil das baterias de VE – Veículos Elétricos e híbridos pode variar bastante, consoante o tipo de utilização, manutenção e diversos fatores externos, sendo de 6 a 10 anos no caso das baterias de NiMH e de Lítio Quando se transformam num resíduo, estas baterias devem ser adequadamente geridas, não só porque contêm matérias perigosas para a saúde humana e para o ambiente, mas também porque podem ser uma importante fonte de materiais recicláveis, muitos deles escassos na natureza ou de acesso limitado.

Neste contexto, torna-se importante garantir que os operadores e os vários intervenientes no ciclo de vida das baterias usadas conhecem e aplicam as melhores práticas na sua gestão. Os distribuidores devem armazenar as baterias usadas em contentores / caixas separados. Estas baterias de Lítio podem derreter ou explodir quando sujeitas a temperaturas acima dos 120º C, por isso devem ser armazenadas separadamente doutros materiais combustíveis.

As baterias usadas recolhidas através da cadeia de distribuição devem ser encaminhadas para operadores de gestão licenciados, como o centro de recolha Palmiresíduos, que mantém uma parceira com a rede Valorcar. Esta parceria prevê o transporte das baterias, desde o produtor até às instalações do centro, o seu armazenamento e encaminhamento para destino final. Este pode passar pela reutilização em unidades estacionárias de armazenamento de eletricidade produzida a partir de fontes renováveis, ou pela reciclagem em unidades especializadas.

Existem várias tecnologias em desenvolvimento para reciclar as baterias de NiMH e de Lítio, como por exemplo, a hidrometalúrgica através da qual os metais são dissolvidos em banhos químicos. No entanto, a tecnologia mais utilizada atualmente é a pirometalúrgica: o processo de fundição a alta temperatura (perto de 1.200ºC), para produzir uma liga onde se concentram metais como o Cobre, o Alumínio, o Níquel e o Cobalto. Posteriormente, através de processos hidrometalúrgicos (dissolução em banhos químicos específicos), estes metais são separados e purificados.

A reciclagem deste tipo de baterias tem uma enorme margem de progressão, sobretudo na recuperação dos chamados Metais de Terras Raras (MTR) neles incorporados (cada bateria de NiMH pode conter cerca de 2 kg destes materiais). Atualmente, não existem unidades de reciclagem de RBA de Lítio em Portugal, sendo também escassas na Europa.

Reutilização das baterias VE
Quando as baterias de NiMH e de Lítio incorporadas em veículos híbridos/elétricos, deixam de corresponder às exigências desta aplicação, podem ter interesse técnico e comercial para outro tipo de utilizações (uma bateria de Lítio pode conter ainda 70% do seu poder energético depois de ser usada num veículo), nomeadamente como unidades de armazenamento estacionárias (stand-by) associadas aos equipamentos das chamadas energias renováveis (células fotovoltaicas ou aerogeradores). Esta reutilização pode aumentar para o dobro o período de vida útil das baterias.

Atualmente existem já algumas empresas, com colaboradores especializados, que efetuam o recondicionamento destas baterias. Este envolve a abertura da bateria, a realização de vários testes e medições, a substituição de células individuais e a alteração dos módulos de controlo eletrónico presentes nas baterias ou associados à sai integração com outros equipamentos. Esta segunda vida para as baterias cria ainda condições para que a rede elétrica ganhe estabilidade, reduzindo os picos de corrente e aumentando a possibilidade de aproveitamento de uma maior quantidade de energias renováveis.

Havendo um maior armazenamento da “energia limpa”, essa eletricidade ao ser injetada, direta ou indiretamente, na rede permite que um carro elétrico que esteja, por exemplo, a carregar num estacionamento de um hospital servido por baterias estacionárias possa, de novo, vir a beneficiar da energia guardada em packs que, outrora, foram pertencentes de outro “parente seu”, ou seja, de outro EV.

Leia o artigo completo aqui

 

Notícias da mesma categoria

Redação JO

Do mesmo Autor: Redação JO

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com