Webinar JO “Balanço e Perspetivas 2021”

04 - Webinar-JO-Balanço-e-Perspetivas-2021

“O aftermarket não para” e o Jornal das Oficinas também não! O JO organizou, em parceria com a ACM Business Performance, um webinar onde fez o balanço do que se passou no setor do aftermarket em Portugal durante os últimos 12 meses.

Este Webinar JO surge no seguimento do programa de 6 webinars realizados no início da pandemia, que tiveram como objetivo informar o sector, num momento em que todos procuravam informação relevante e atempada, para tomar decisões sobre os seus negócios.

Passado um ano, pareceu-nos importante celebrar a iniciativa, fazer um balanço do que mudou e o que podemos esperar nos próximos tempos no aftermarket.

Mais do que um Webinar de Tendências ou de Grandes Novidades, foi um Webinar de celebração do nosso sector, que mostrou resiliência e uma grande capacidade de adaptação.

Para analisar a reação do pós-venda à crise, passando pelas grandes mudanças e transformações da sociedade , da economia em geral e do setor do aftermarket, tivemos connosco Dário Afonso, diretor geral da ACM.

Segundo este responsável, a pandemia ainda hoje é uma novidade “Tudo isto continua a ser novo para nós. Quando reunimos e falámos sobre a reação do setor do aftermarket, há um ano, os nossos conselhos foram uma espécie de serviço público, o setor precisou muito da nossa ajuda, estavam perdidos sem saber como lidar com o desconhecido.” Hoje, passados cerca de 365 dias, Dário Afonso afirmou “Nós mais do que nunca continuamos a viver uma grande incerteza. No entanto, o impacto negativo que pensei que a pandemia iria ter no aftermarket, não aconteceu”.

Para Dário Afonso, a pandemia não trouxe ao aftermarket momentos tão ‘tremidos’, como os que se esperavam, devido ao setor se ter tornado mais digital e à aliança do mesmo com as Associações “Acho que aconteceu uma coisa interessante. De um modo geral o setor é ‘alérgico’ ao associativismo, mas no pico da crise os players recorreram às Associações, algo nunca antes visto. As várias Associações chegaram a trabalhar juntas, houve um clique, tanto das empresas como das pessoas. Para além disto, as empresas viram no digital a única solução para estarem perto do consumidor final e apostaram nas plataformas digitais. No entanto, Dário Afonso deixou um conselho a todos os empresários “As pessoas são o maior ativo das empresas e irão continuar a ser. Sem pessoas capacitadas, as plataformas digitais de nada valem”, alertou.

Questionado sobre o futuro, se o digital se vai aliar ao presencial, o diretor geral da ACM mostrou-se determinado “Eu não separo as duas áreas, cada vez mais vamos ter que experienciar a ‘experiência cliente’. O cliente de 2019 já não é o mesmo cliente de 2021 e já não vai ser o mesmo cliente de 2022. Temos um grande desafio, gerir o desconhecido, estamos todos diferentes, precisamos de dar respostas à altura, aquilo que o cliente procura e aquilo que é a nossa oferta. Temos deixar de vender produtos e passar a vender soluções”.

Para que no futuro continuem a existir relacionamentos, entre a empresa e o cliente, através das plataformas digitais, foi necessário o aftermarket adaptar-se à nova realidade. Segundo Dário Afonso, esta adaptação foi bem sucedida “ Eu acho que nós fomos uns heróis, eu vi call centers de peças a passarem para teletrabalho de um dia para o outro. O setor do aftermarket não fechou, a pandemia teve o seu lado positivo, pusemos um novo processo a funcionar com o comboio em andamento”, refere.

Já na última parte do Webinar, o diretor geral da ACM terminou com um conselho para todos os empresários do setor do aftermarket “Quando o futuro é incerto, nós temos que estar preparados para qualquer futuro, é importante que todos os investimentos que foram feitos nesta fase, tenham continuidade, é o caso do digital”.

Antes de terminar, Dário Afonso não quis deixar de fazer um balanço para este ano de 2021 “Vai ser um ano diferente. Tendo em conta o que estamos a viver neste momento, vamos ter uma retoma. Não acredito numa retoma fantástica mas acho que vai ser gradual”, concluiu.