LeasePlan apresenta resultados do estudo Car Policy Benchmark

09 - LeasePlan apresenta resultados do estudo Car Policy Benchmark

O LeasePlan Car Policy Benchmark, concluiu que, desde o último benchmak de 2019, os plafonds de rendas e aquisição aumentaram 9% e 22% respetivamente. O estudo, contou com a participação de 390 gestores de frotas de empresas de 10 setores de atividade

A LeasePlan, apresentou os resultados do Car Policy Benchmark 2022, um estudo cujos dados informam as empresas sobre as melhores práticas do setor e desafiam os gestores a serem inovadores na otimização da performance dos seus recursos e da sua organização, e na satisfação dos seus colaboradores.

“Na LeasePlan assumimos a gestão diária de mais de 110.000 veículos, o que nos permite reunir e tratar dados sobre as práticas de mercado da gestão de frota e identificar proactivamente as principais tendências do setor. Desde o último Benchmark, em 2019, o mercado foi abalado por grandes disrupções logísticas trazidas pela pandemia e agravadas pela guerra na Ucrânia, apresentando desafios sem precedentes a todas as empresas no que respeita à gestão de frotas.

Como líderes do mercado de renting em Portugal, a LeasePlan tem a responsabilidade de aconselhar os seus clientes de forma a tornar as suas decisões de gestão de frota cada vez mais eficientes em termos de custos, mais informadas quanto ao futuro da eletrificação e mais conscientes das oportunidades de atração e retenção de talentos.

“O papel de consultoria da LeasePlan e os estudos aprofundados do mercado que realiza periodicamente, como é o caso do Car Policy Benchmark, são fundamentais para ajudar os nossos clientes a ajustarem-se às novas realidades e promover melhorias.

Isto aplica-se não só nos planos de ação de cada cliente, consoante a estratégia e setor de atividade, mas também no próprio serviço que a LeasePlan presta, de modo a irmos ao encontro das necessidades e preferências dos nossos clientes” refere Ricardo Silva, Diretor Comercial da LeasePlan Portugal.

“Dada a relevância da eletrificação no futuro do mercado automóvel, este ano lançámos uma nova ferramenta, o Índice de Eletrificação de Frotas, que avaliou em que medida é que as empresas estão preparadas para a mobilidade elétrica”, conclui.

Na sua 3ª edição, o Car Policy Benchmark contou com a participação de 390 gestores que responderam a um questionário online, permitindo recolher informação relevante sobre as frotas de 10 setores de atividade. A frota total das empresas que participaram neste inquérito corresponde a mais de 24 mil veículos, que percorreram mais de 800 milhões de quilómetros.

O Car Policy Benchmark permitiu à LeasePlan avaliar os vários aspetos relacionados com a política de frota de uma empresa, de forma a compará-la com as melhores práticas do setor, seja para se diferenciar dos seus pares, para reduzir custos ou para captar e/ou reter talento. Com a informação recolhida no Benchmark, as empresas poderão estabelecer metas e ambições, identificar gaps de melhoria quanto à sua situação atual e definir planos de ação que permitam destacar-se dos seus pares.

As principais conclusões do LeasePlan Car Policy Benchmark 2022 são as seguintes:

  1. 99% das empresas da amostra já tem uma política de frota definida;
  1. As políticas de frota estão a ficar mais completas;
  1. A área de Recursos Humanos tem vindo a assumir um papel de destaque principalmente em empresas com dimensões de frota superiores, onde o veículo é visto como um instrumento para atração e retenção de talento;
  1. Há maior eficiência nos recursos alocados à gestão da frota;
  1. Continua a aumentar a quantidade de serviços contratados na modalidade de renting;
  1. O modelo de seleção de veículos por plafonds aumentou para 69%, em detrimento de listagens pré-definidas (31%) tendência que vem aumentando desde 2016;
  1. O TCO (total cost of ownership) é já o fator mais utilizado (73%) como variável decisiva, mesmo em frotas de menor dimensão;
  1. O acesso a combustível e portagens pelos colaboradores tem vindo a crescer e são já disponibilizados na grande maioria dos casos. A inexistência de limite continua a ter um peso significativo. Por seu lado, a política de portagens mostra-se transversal a toda a empresa e em tendência de subida ( 55% das empresas sem limite de portagens);
  1. O veículo de serviço continua a ser um elemento central na promoção da satisfação dos colaboradores.