CETRAA, CONEPA e MAPFRE reúnem-se pelas oficinas e seguradoras

07 - CETRAA CONEPA e MAPFRE reúnem se pelas oficinas e seguradoras

A Confederação Espanhola de Oficinas de Reparação (CETRAA), a Federação Espanhola de Empregadores Profissionais de Automóveis (CONEPA) e a MAPFRE reuniram-se para discutir vários temas relacionados com a relação entre as oficinas e as seguradoras

Participaram em representação da MAPFRE Ignacio Pérez Postigo, Diretor de Benefícios de Automóveis, Javier Cobos, Diretor de Fornecedores de Carros e Imóveis da MAPFRE, e Rubén Aparicio-Mourelo, Diretor Adjunto do CESVIMAP; Em representação do CETRAA, participaram Enrique Fontán, Presidente, Ana Ávila, Secretária Geral, Rogelio Cuesta, Presidente da Comissão de Balanças, e Luis Ursúa, Coordenador Jurídico; Ramón Marcos, presidente, e Víctor Rivera, secretário geral, compareceram em nome da CONEPA.

Em sintonia com os desafios do setor de reparação, as três entidades analisaram conjuntamente, entre outros desafios, o acesso à informação técnica ou a digitalização das oficinas, bem como a situação económica e a relação entre a MAPFRE e as oficinas.

Durante o encontro, foi expressa a preocupação existente no setor sobre a formação necessária de profissionais para atender a procura de mão de obra do mercado. Da mesma forma, a adequação das instalações, em consonância com a evolução da propulsão dos veículos, os novos materiais com que são construídos e os seus sistemas de união foram temas de debate em que as associações registaram os investimentos necessários a realizar, bem como uma adaptação dos preços pagos pelas reparações. Por sua vez, a MAPFRE dispôs-se a colaborar por meio do CESVIMAP, oferecendo treino e consultoria.

Por outro lado, a MAPFRE foi informada da implementação do Plano de Carros, entre cujas ações se contempla aumentar a rede de oficinas diferenciadas da seguradora. A empresa manifestou a sua vontade de transferir as condições da sua oferta para as oficinas para ser por eles estudada.

A CETRAA e a CONEPA solicitaram que o preço da hora da oficina fosse respeitado com base na função indemnizatória atribuída à seguradora, e não como cliente, conforme previsto na Lei 50/1980, de 8 de outubro, sobre o contrato de seguro. Da mesma forma, reiteraram o pedido, já formulado por escrito, de neutralizar os efeitos da inflação sobre a rentabilidade das oficinas.

A CETRAA e a CONEPA transmitiram à MAPFRE a necessidade de respeitar e defender o direito do segurado de escolher a oficina em que confia para reparar o seu veículo danificado, questão que gera reclamações das oficinas; embora de acordo com os representantes da seguradora, sempre respeitou este direito, tendo em conta as condições da apólice que cada cliente escolheu.

No que diz respeito ao novo tempário, as associações de oficinas relataram as consequências que a restrição do uso limitado das avaliações da MAPFRE está a ter para as oficinas, já que não têm mais a opção de comparar as avaliações realizadas com outro tempário que é aceite pelas seguradoras. A esse respeito, a MAPFRE destacou que o tempário CESVIMAP é usado como referência há muito tempo e que permaneceu mais por hábito do que por ser a solução ideal.